Lizard Canaries, Canaris Lizard, Lizard Kanarien, Canarios Lizard, Canarini Lizard, Kanaries Lizard, Kertenkele (Lizard) Kanarya

segunda-feira, 29 de abril de 2013

STANDARD DO LIZARD (Boletim Informativo Nº 4 - Agosto/2010 CLCP)


COMO ANALISAR O STANDARD DO LIZARD

A origem do Lizard é um pouco obscura e foram os ingleses que a reconheceram e os primeiros a aperfeiçoar esta raça de plumagem única com desenhos peculiares em todo o mundo ornitológico.
É um canário de plumagem escura, podendo ser comparado a um canário verde, uma vez que possui o mesmo pigmento verde. Pode-se afirmar que é um canário de fundo amarelo com um pigmento escuro (melânico).
Todos os Lizards devem ser escuros (self dark) sem partes claras excluindo a calota (zona lipocromica).
Tem por base 2 cores:
è Dourado (gold) intenso (buff)
è Prateado (silver) nevado (non frosted) com a cor de fundo amarela, sendo a repartição homogénea do nevado muito importante.
Julgar um canário Lizard ou simplesmente reconhecer um bom exemplar, temos que ter na mente a imagem de um perfeito exemplar.
Criar Lizards para exposição é uma tarefa difícil que exige conhecimentos técnicos da raça (standard) e conhecimento de genética da ave, de forma que os acasalamentos realizados resultem em pleno. Assim deve-se ter em conta:
  
è  Quais os tipos de plumagem
è  O grau de oxidação das melaninas
è  Pureza do lipocromo

Todos estes aspectos influenciam a valorização de um plantel e podem resultar em novos exemplares que obterão melhores pontuações nas exposições.
Um Lizard perfeito, segundo o Standard oficial da OMJ (Ordre Mondial des Juges) tem a seguinte configuração.


DESENHO DORSAL – Spangles (25 Pontos) – Este é o item de maior valorização de um Lizard. É formado por pequenas escamas em forma de meias luas, muito escuras e bem nítidas em relação à cor de fundo, que as separa e perfeitamente alinhadas ao longo do dorso.
Sem dúvida é por esta rubrica que um juiz deve começar a análise de um Lizard, formando desde já o grupo de favoritos à vitória final.
Giuliano Passignani (um dos grandes criadores de Lizards e reconhecidamente um dos grandes juízes internacionais com vários livros escritos) afirma que “… um Lizard sem calota mas com óptimas escamas dorsais e peitorais é sempre um bom exemplar, no entanto um com calota perfeita mas com defeitos no seu desenho dorsal e peitoral, não é um bom Lizard!”.
PLUMAGEM (15 Pontos) – Tem de ser brilhante, consistente e lisa, completamente aderente ao corpo. Os melhores exemplares de plumagem apresentam-se mais escuros com uma total ausência de castanhos.
Nota: Os Lizards são muitas vezes utilizados para melhorarem a plumagem de outras raças de canários de forma e posição.
DESENHO DO PEITO – Rowings (15 Pontos) – São pequenos triângulos (as escamas em forma de meia lua são aqui mais triangulares) ou pequenos “V” largos e escuros que se iniciam sob o bico e olhos prolongando-se até ao início da cauda.
Nota: As fêmeas são sempre melhor marcadas que os machos, principalmente nos prateados.
COR DE FUNDO (10 Pontos) – O amarelo-dourado corresponde aos intensos e o amarelo-palha aos prateados (nevados). Esta deve ser regular e uniformemente distribuída pelo corpo com tonalidade forte, sem interrupções de intensidade da cor, o que dá a esta ave, quando vista à luz solar, um brilho espectacular (os Lizards devem ser julgados à luz natural). É permitida a cor vermelha.
ASAS E CAUDA (10 Pontos) – As asas devem estar bem aderentes ao corpo e serem o mais escuras possível. A cauda deve ser fechada, estreita e curta.
CALOTA (10 Pontos) – Pode-se apresentar de 3 formas possíveis:
·      Calota perfeita – tem a forma oval, nascendo na parte superior do bico, passando sob os olhos, prolongando-se até à base da nuca. Tem a mesma cor que a cor de fundo e não pode apresentar qualquer vestígio melânico.
·      Calota imperfeita – é uma calota que apresenta zonas melânicas. Nestas zonas melânicas deve apresentar os desenhos típicos do desenho do dorso, que têm origem na base superior do bico.
Nota: Alguns Clubes como LCCP, separam uma classe própria para as calotas imperfeitas.
·      Sem calota – Não apresenta qualquer vestígio da calota e tem esta zona totalmente preenchida com os desenhos dorsais desde a base do bico até à cauda sem interrupções.
PENAS DE COBERTURA (5 pontos) – Nas espáduas os desenhos formam molduras de orlaturas negras que cobrem a base das penas e separam umas das outras.
SOBRANCELHAS (5 Pontos) – Situam-se acima dos olhos. Apresentam uma linha de penas negras que as separam da calota e atenuam a forma oval da cabeça.
BICO E PATAS (5 Pontos) – Devem ser o mais negro possível. As unhas claras devem ser penalizadas.
CONDIÇÃO GERAL (5 Pontos) – As aves devem-se apresentar de boa saúde e limpas.
PRINCIPAIS DEFEITOS A ANALIZAR:
Desenho dorsal: Com falhas e sem alinhamento, marcas interrompidas pouco definidas indicam que estamos na presença de um exemplar com pouca qualidade. A presença de feomelanina (penas de cor castanha) deve ser penalizada pois interfere na beleza do desenho dorsal.
Plumagem: Uma plumagem em más condições deve ser penalizada uma vez que esta é a segunda rubrica mais importante. Não deve ser em excesso nem estar desalinhada. Tem de apresentar um brilho natural e não pode ter penas com margens brancas pronunciadas.
Nota: Qualquer pena totalmente despigmentada fora da zona da calota implica obrigatoriamente por parte do juiz uma forte penalização.
Desenho do peito: Nesta rubrica avalia-se a quantidade e a qualidade doo desenhos do peito e flancos. Nas aves intensas (douradas) aparecem em menor quantidade, nos nevados (prateados) o grau de exigência deve ser maior, pois aqui aparecem em mais quantidade, sendo as penalizações atribuídas de forma proporcional. Os que se apresentem sem qualquer marcação, serão penalizados com rigor. É importante relembrar que as marcações devem estar separadas por penas rendilhadas de branco nos nevados (prateados) e da mesma cor do lipocromo nos intensos (dourados).
Cor de fundo: O lipocromo é um item que pode valorizar ainda mais a ave. Tem de ser igual em toda a ave, sem variações da sua intensidade. Acasalamentos mal feitos originam filhotes com uma cor disformemente distribuída, ou menos viva. O factor vermelho, segundo o standart C.O.M. () é permitido. A cor vermelha tem de ser analisada da mesma maneira, ou seja, tem de ser uniformemente distribuída. Em diversas exposições como por exemplo Reggio Emilia, concorrem em classes separadas dos não pigmentados artificialmente.
Asas e cauda: Devem ser bem escuras. Devem ser penalizados os exemplares que apresentem vestígios de cor castanha ou cinza. A cauda não deve estar aberta.
Calota: Uma calota que se apresente 100% perfeita, 0 pontos de penalização. Até 20% de incidência melânica, 1 ponto de penalização. Uma calota que se apresente com mais de um ponto de incidência melânica ou com mais de 20% pode-se penalizar com 2 a 3 pontos.
Penas de cobertura: A orlatura das penas de cobertura despigmentada deve ser penalizada com rigor.
Sobrancelhas: Os Lizard devem apresentar por cima dos olhos uma fina linha de plumas bem negras. Devem ser penalizas quando estas são de cor castanha ou cinza ou quando estão interrompidas.
Bico e patas: Esta rubrica é das mais polémicas num julgamento. Embora o seu valor seja de apenas 5 pontos, a sua importância não é menor, pois trata-se de uma característica marcante desta raça que são as partes córneas bem negras (oxidadas). Em termos de classificação um Lizard que apresente uma oxidação fraca pode ser mais valorizado em relação a outro que tenha uma melhor oxidação. Um juiz quando analisa esta rubrica tem que valorizar indiscutivelmente os exemplares que apresentam uma melhor oxidação (atribuindo a classificação máxima de 5 pontos) penalizando os outros que apresentem uma menor oxidação (atribuindo a classificação de 4 pontos ou em casos extremos 3 pontos).
Tamanho e Condição: Temos de analisar nesta rubrica não só a condição geral da ave como o tamanho e a sua forma. Na parte da condição deve a ave apresentar-se limpa, de boa saúde, sem escamas nas patas e sem sujidades visíveis na plumagem e patas. No tamanho só se deve penalizar exemplares que sejam muito grandes ou muito pequenos, o que é raro aparecer aves fora do padrão dos 12,50 cm. A forma do corpo do Lizard não é um item específico de julgamento, mas que deve ser igualmente analisado. A curvatura do abdómen assemelha-se à curvatura de uma pipa.

Para concluir e em de resumo, os defeitos que surgem com maior frequência nas Exposições são:

Sem comentários: